July 12, 2017

Please reload

posts recentes

Um labirinto de imagens: Cavaletes de Cristal como suportes de criação

May 29, 2019

1/6
Please reload

destaques

Enquanto alguns aspectos do tempo são gravados, duas cidades seguem seus fluxos.

 

Brasília. Os solares acontecem a partir da espera. Eles delimitam a intensidade da luz, que envolve o ateliê, e decalcam os momentos de ausência que ali ocorrem. O trabalho está em processo, mas a artista está ausente.

 

Os dias passam na Casa D, enquanto a incidência específica de claridade atravessa as janelas, fazendo visitas diárias. Sob esse claro, constante e preciso se delimitam as horas. Mas o cotidiano da casa não está no ateliê. É assim que o tempo desse espaço cerrado desconhece as imperfeições rítmicas dos dias, segue um fluxo ininterrupto.

 

Enquanto o trabalho se faz, transcorre uma especulação sobre a particularidade da luz e da percepção do dia, nessa cidade, simulada no lugar restrito do ateliê. Especula-se sobre a experiência cronológica e meteorológica dos dias no espaço urbano.

No entanto, o ato de especular sobre a distinção do tempo em Brasília deriva dos pensamentos distanciados, através das métricas espaço-temporais. Essa experiência só pode ser restaurada por meio dos trechos da lembrança, da memória, das sensações. Os dias da cidade já não integram mais o cotidiano, mas com alguma frequência são revisitados no ateliê. 

 

Desse modo, à medida que luz grava as imagens, o trabalho evidencia a ausência da artista. Os solares se fazem pela ausência.

*

Dos tempos de pausa de trânsito entre duas cidades, o processo não pode ser finalizado até que as distâncias se estreitem, na vivência provisória de quem retorna a cidade que já não habita.

 

*

São Paulo. A vida transcorre no outro espaço urbano, sob os ritmos abertos pelas imprecisões dos segundos. A partir da experiência presente, a reflexão sobre o tempo na segunda cidade se constrói como um metrônomo descompassado.

 

Nesta cidade o trabalho também acontece, mas pela presença e descoberta de lugares. Os olhos, os pés e um carimbo – com uma única frase “Isto é arte” – se constituem como matéria-prima para o processo da artista, que não se faz no ateliê e sim pelo deslocamento.

 

Ao se deslocar, o processo artístico encontra outros tempos visíveis, impressões que fazem do fluxo da cidade, sua matriz. O espaço está descoberto, à mercê dos dias. O trabalho não corre paralelo aos dias e sim imbricado neles. Trata-se da busca pelos vestígios do tempo impresso na cidade.

*

Os solares expõem alguns aspectos do tempo. Configuram-se como um tipo de relógio solar do pretérito.

 

A velocidade vagarosa com que as gravações ocorrem exige longas esperas e, na sombra das horas, o processo acontece de modo imperceptível, semelhante ao ritmo de crescimento de fios de cabelo.

Nesse momento, as horas passadas se tornam visíveis e permanentes. O relógio pretérito sobrepõe os dias até que eles comecem a esboçar as primeiras gravações. Segundo a sua lógica particular, a métrica do dia, a partir da luminosidade, faz com que horas gravem presenças distintas sob o papel: cada momento solar tem um efeito específico; cada período do ano propõe uma densidade particular para a luz do sol. E todas essas nuances, sobrepostas em camadas, simulam a regularidade do tempo.

 

A regularidade exposta por essa forma de gravar, num primeiro momento, se faz em oposição à ideia de conservação. Abre-se a luz para que os dias apartem a cor, que perde progressivamente suas propriedades, criando formas. Um procedimento visual que torna o tempo presente. Mas alguns pontos estão protegidos, utilizando a lógica da conservação, para que os espaços abertos pelo sol fiquem evidentes.

 

O trabalho se torna uma matriz da cor adulterada [pelo processo]. É retirado da luz e datado:

23.07.2013 | 28.09.2013.

 

Foto: Bruno Bernardes
 

Please reload

siga-nos
  • face.png
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon

© 2015 por colchete projetos culturais